Comportamento

8 hábitos que podem desencadear um ataque de pânico

Um ataque de pânico é um estado repentino de medo intenso que parece vir do nada, explica o terapeuta Thai-An Truong. Os sintomas se intensificam em minutos e duram pelo menos meia hora, mas a maioria das pessoas sentirá a exaustão e os efeitos colaterais horas depois.

De acordo com Truong, os sintomas mais comuns são aumento da frequência cardíaca, palpitações, dor no peito, sudorese, tremores, falta de ar e hiperventilação .

As causas dependem do indivíduo, portanto, identificar seus gatilhos pessoais pode ajudá-lo a controlá-los. Mas, prestar atenção a esses hábitos (com a ajuda de um terapeuta, se necessário) pode ajudar a reduzir seus níveis de ansiedade.

1. Exagero

Pensar que um evento é muito mais sério do que realmente é o fará sentir como se o fim do mundo estivesse se aproximando. 

Pessoas com fobias acreditam que a fonte de seu medo irá matá-los ou machucá-los gravemente (por exemplo, o elevador vai cair, meu filho vai ficar doente e morrer).

2. Catastrofismo

Interpretar como uma catástrofe qualquer sensação física pode desencadear um ataque de pânico, diz Truong.

Você sente um latejo e acha que está tendo um ataque cardíaco, ou seu pescoço dói e você jura que é um coágulo que pode causar um derrame, por exemplo.

3. Pular para as conclusões

Esse hábito pode afetar seus níveis de ansiedade de diferentes maneiras, explica Truong. Talvez você tente prever seu futuro (que será sempre negativo) ou leia a mente dos outros (e pense que os outros o rejeitam).

Por exemplo, você pode prever que irá falhar e que todos irão odiá-lo enquanto você for a uma entrevista de emprego. Ou se seu marido não retornou sua ligação, certamente – você dirá – é porque ele sofreu um acidente de carro e ele morreu.

4. Raciocínio emocional

Consiste em pensar que sua resposta emocional prova que algo é verdadeiro, independentemente dos fatos ou das evidências. “Você sente isso, portanto, é verdade”, explica Truong.

Por exemplo, você se sente culpado por alguma coisa, então você é culpado… mesmo que não haja evidência de que você fez algo errado.

5. Você gasta muito tempo em suas redes sociais

É bom manter contato com seus amigos através de suas redes sociais. Mas eles também podem fazer você se comparar com os outros, gerando pensamentos negativos, diz Truong.

Obsessão pelo que os outros publicam em suas redes sociais pode  causar pensamentos como “eu nunca vou estar em seu nível” ou “um ano se passou e eu não saio do lugar” ou “eu nunca vou encontrar um companheiro(a) e vou morrer sozinho e miserável”, que estabelecem as bases de ataques de pânico.

6. Analisar demais

Analisar demais pode se tornar um padrão de pensamento que leva à ansiedade, especialmente se isso faz com que alguém espere um futuro negativo ou acredite que os outros o odeiam, diz Truong.

Por exemplo: “Meu chefe não atendeu minha ligação… ele deve estar bravo comigo… eles vão me demitir … vou perder minha casa”.

7. Adiar

Embora deixar as coisas para trás possa aliviar a ansiedade a curto prazo, pode tornar-se viciante, explica Truong, e abre caminho para um ataque de pânico.

Se você está adiando algo que não quer fazer e muda para algo mais agradável, você se sentirá melhor no momento, diz ele. “Mas, a longo prazo, pode causar pânico se gerar pensamentos catastróficos como ‘eu vou falhar neste assunto’ ou ‘vou perder meu emprego'”.

8. Ficar muito tempo sozinho

Um pouco de solidão pode ser bom para pessoas que sofrem de ansiedade, mas depende de seus processos de pensamento.

Se eles estão pensando que amam esse tempo sozinhos, isso os fará se sentir bem, explica Truong. Mas se você está pensando “ninguém me ama e eu vou morrer sozinho”, o resultado pode ser um ataque de pânico.

O que fazer?

A terapia pode ajudar você a identificar seus gatilhos. Truong recorre ao tratamento TEAM-CBT do Dr. David Burns, que possui quatro modelos para tratar ansiedade / pânico: Modelo Cognitivo, Modelo Motivacional, Modelo de Exposição e Modelo de Emoções Ocultas.

“Uma combinação dos quatro modelos é frequentemente necessária para um cliente superar seus ataques de pânico e ansiedade”, explica Truong.

“Como somos únicos, não podemos prever as ferramentas que funcionarão para cada um, por isso, passamos o cliente sistematicamente em cada um deles, em um processo de tentativa e erro.”

Por exemplo, o Modelo Cognitivo exige examinar os pensamentos negativos que uma pessoa tem durante um ataque de pânico e trabalhá-los através de uma série de técnicas até encontrar uma que os ajude a mudar seus padrões de pensamento.

Isso permite controlar os processos que acionam os sintomas físicos.

Você já entrou em pânico até sentir algumas das sensações listadas acima?

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo
Fechar